Uma Proposta de Sociedade de Agentes Inteligentes para a Gestão de Medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde

Please download to get full document.

View again

All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
 14
 
  Uma Proposta de Sociedade de Agentes Inteligentes para a Gestão de Medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde
Share
Transcript
    Uma Proposta de Sociedade de Agentes Inteligentes para a Gestão de Medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde Ekler Paulino de Mattos, Leonardo de Souza Mendes, Maurício Bottoli Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação (FEEC), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Brasil Resumo - O trabalho proposto tem por objetivo apresentar o uso da arquitetura de sistemas multiagentes cognitivos como uma solução para o problema da distribuição de medicamentos nas unidades básicas de saúde (UBS). Este problema apresenta características para classificá-lo como sendo de natureza distribuída: problema genérico que pode ser dividido em subproblemas (cada UBS como parte do modelo de domínio). O uso de sistemas multiagentes cognitivos podem auxiliar as UBSs a regularizarem a situação de seus estoques e obterem cotas de medicamentos mais próximas à sua realidade. Isto é possível através de procedimentos matemáticos de gestão de estoque. É apresentado como resultado um estudo de caso onde é realizada a simulação de uma rede de UBSs que utiliza o sistema multiagente como assistente para a resolução de tal problema. Palavras-chave: Inteligência Artificial Distribuída, Sistema Multiagentes Cognitivos, Gestão de Medicamentos.  Abstract - The goal of the proposed work is to present the use of the cognitive multi-agent systems’s architecture as a solution for the problem of medicine distribution in the health basic units (HBU). This problem presents characteristics to be classified as distributed nature: generic problem that can be disposed in sub-problems (each HBU as part of a domain model). The use of cognitive multi-agent systems may assist the HBUs to regularize the situation of its supplies and obtain medicine quotas nearer to its reality. That is possible through supply management’s mathematical procedures. It’s introduced as result of a case study where is realized a HBU network’s simulation that uses the multi-agent system as assistant for the resolution of such problem. Key-words: Distributed Artificial intelligence, Cognitive MultiAgent Systems, Medicine Management. Introdução  O processo de informatização nas redes municipais de saúde tem trazido uma série de contribuições para a melhoria na qualidade de vida do munícipe. A agilização do processo de atendimento ao público e a rapidez no processamento da informação coesa e precisa são bons exemplos a serem citados. Todavia, mesmo com a informatização e interconexão lógica das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) uma série de deficiências ainda está presente, tal como a ausência e/ou o excesso de medicamentos para alguns setores. Estimar um estoque padrão de medicamentos, definir precisamente a quantidade necessária para atender um ciclo de distribuição (cota), prever períodos sazonais, entre outras, são tarefas complexas, que necessitam de mão-de-obra especializada, no caso de gestores de estoque (pouco comum nas redes municipais de saúde) e de sistemas computacionais que auxiliem na execução destas tarefas. O problema de distribuição de materiais para as UBSs pode ser categorizado como um problema de natureza distribuída, ou seja, um problema complexo que não pode ser solucionado apenas por uma instância de software   [1]. Por estas motivações, a arquitetura das redes municipais de saúde, torna-se palco ideal para o desenvolvimento de uma proposta de solução distribuída destinada a resolver a questão da distribuição de materiais, por meio do uso de  procedimentos de gestão de estoque de medicamentos com Inteligência Artificial Distribuída (IAD), mais especificamente, com o uso de uma sociedade de agentes cognitivos. Inteligência Artificial Distribuída (IAD) A resolução de problemas distribuídos é o nome aplicado ao sub-campo da inteligência artificial distribuída (IAD) em que enfatiza o uso de agentes para trabalharem juntos em problemas que requerem um esforço coletivo [2]. Basicamente um sistema de IAD é formado pelos seguintes elementos [3]: A gentes  - entidades ativas do sistema; Sociedade  - conjunto formado por agentes;  Ambiente - conjunto formado pelos objetos do sistema (objetos passivos); Interação  - troca de informações entre os agentes (podem ser trocas diretas através de comunicação explicita, ou pelo ambiente) e Organização  - garante que os agentes farão aquilo para o que foram projetados.  Agentes Inteligentes Existem várias definições sobre agentes [3] [4] [5]. De forma genérica um agente é uma entidade (seja real ou não) que está inserida em um contexto (em um ambiente), o qual possui comportamento autônomo: perceber, agir, deliberar e comunicar-se com outros agentes de forma a alterar o estado do ambiente. Tipos de Agentes Os agentes são basicamente classificados em dois grupos: agentes reativos e agentes cognitivos. Os agentes reativos são mais simples, reagem instintivamente, formado pelo par Estímulo-Resposta (Ação-Reação). São baseados em modelos de organização biológica (como peixes, formigas e cupins). Ao contrário dos agentes reativos, os agentes cognitivos são mais complexos, dotados de estados mentais (como crenças, desejos, intenções) e funcionam racionalmente. Constroem um conjunto de planos e ações para atingir um objetivo pretendido.  A arquitetura de agentes fundamentada em estados mentais (Crenças, Desejos e Intenções) Uma arquitetura bastante difundida de agentes cognitivos é a arquitetura BDI (abreviação de beliefs , desires  e intetions ) mostrada na Figura 1. Figura 1 - Arquitetura BDI Genérica (adaptado de Wooldridge (1999)). No contexto acima, a arquitetura BDI está esquematicamente definida da seguinte forma: As crenças  representam a visão acerca do ambiente (seu estado) e também dos agentes envolvidos na sociedade; Desejos  representam o estado em que o agente aspira atingir, ou seja, uma representação de estado no qual o agente quer que passe a ser verdadeiro no ambiente. Um desejo é composto por um conjunto de objetivos vinculados entre si; Intenções  são seqüências de ações específicas que um agente se compromete a executar para atingir determinados objetivos. A FRC  (função de revisão de crenças) tem a função de verificar as crenças anteriores para serem atualizadas resultando em um novo estado do ambiente a partir das percepções do agente. Atingindo um novo estado do ambiente é possível que novas alternativas de estados a serem atingidos fiquem disponíveis. O componente Gera Opções  apresentado na Figura 1, tem por função verificar quais as novas alternativas de estado a serem atingidas. Este processo é realizado mediante as crenças do agente e nas intenções com que o agente está comprometido a realizar. A atualização dos objetivos pode ser realizada de duas formas: através da observação do ambiente que podem determinar novos objetivos a serem alcançados e pela execução das intenções. O Filtro  é responsável por realizar a atualização das intenções mediante as crenças, os desejos e as intenções já existentes. Este processo é conhecido como deliberação [7]. Sistemas Multiagentes (SMA) É um conceito de IAD adotado para o desenvolvimento de sistemas computacionais a partir dos agentes. Conforme ilustrado anteriormente, os agentes são entidades de natureza autônoma que atuam no ambiente para modificá-lo de acordo com os seus objetivos a serem atingidos. Em algumas ocasiões surge à necessidade de tais agentes estabelecerem  uma comunicação entre si para resolverem uma tarefa, o que torna necessário criar mecanismos de coordenação para que funcione corretamente. Sob este ponto de vista, os agentes são organizados em sociedade . Assim, “comportamentos inteligentes podem emergir de uma população de numerosos agentes” [6]. Existem basicamente dois tipos de SMA [7] [8]: •  SMAC – Sistemas Multiagentes Cognitivos: sociedade composta de agentes cognitivos. Geralmente a sociedade é composta por poucos agentes devido a sua complexidade; •  SMAR – Sistemas Multiagentes Reativos: sociedade composta por agentes reativos. A sociedade é composta por muitos agentes. Atualmente, tem-se adotado a fusão dos SMAC e SMAR para a resolução de tarefas denominado SMA híbrido, um modelo organizacional de sociedade que é composta por agentes cognitivos que compõem a classe coordenadora, e reativos que representa a classe operária. Os agentes coordenadores são responsáveis por delegar tarefas para os operários resolverem. Metodologia O processo de distribuição de materiais O estudo de caso deste trabalho consiste de uma rede de distribuição de medicamentos de um almoxarifado gestor para as UBSs, conforme é ilustrado na Figura 2. Regularmente e de forma sincronizada as UBSs são supridas com uma lista de medicamentos padrão mediante uma cota que varia entre as UBSs. O ciclo de distribuição é mensal. Na véspera do término de cada ciclo, o usuário gestor responsável de cada UBS faz o processo de estimação de cota dos itens para o próximo mês. O recálculo das cotas de cada setor é enviado para o almoxarifado gestor, onde primeiramente são analisadas para posteriormente serem atendidas. Cada UBS possui um sistema de controle de estoque de medicamentos para realizar a entrada / saída dos medicamentos. O sistema de controle de estoque adotado neste trabalho que possui a arquitetura comentada na Figura 2 é o Sig2m. O Sig2m é um software para gerenciamento de almoxarifado, projetado para atender almoxarifados fisicamente distribuídos. Sua concepção foi desenvolvida a partir da realidade encontrada na estrutura organizacional dos centros de distribuição de medicamentos para postos de saúde, onde um almoxarifado central gerencia a compra, armazenamento e distribuição de medicamentos e suprimentos para um conjunto de pequenos almoxarifados alocados em Unidades de Saúde espalhadas por uma ampla região, conforme [9] . Atualmente o Sig2m é utilizado pelas prefeituras municipais de Campinas e Guarulhos.  AlmoxarifadoGestor  UBS 1UBS 2 UBS 3UBS n   Figura 2 - Arquitetura da rede de Municipal de Saúde (UBSs e Almoxarifado Gestor).   Solução Proposta Como proposta para a resolução da questão da má distribuição de medicamentos, foi montada a seguinte arquitetura: cada UBS contém uma sociedade de agentes híbrida formada por um agente gestor   (agente cognitivo) modelado sob a arquitetura de estados mentais (BDI) e um agente mensageiro  (agente reativo) denominado sociedade local . A função da sociedade local é auxiliar o usuário a monitorar o estado do estoque dos medicamentos. Esta função consiste em prever através de cálculos de gestão de estoque os medicamentos que estão excedentes (posteriormente serem doados para outras UBSs) e / ou que irão atingir a margem de risco de esgotamento (para posteriormente serem requisitados para as demais UBSs) antes do tempo de reposição e também calcular a cota ideal para o ciclo seguinte. O usuário é informado sobre o estado do estoque através de mensagens enviadas pelo agente gestor intercedido pelo agente mensageiro, responsável por prover o canal de comunicação. O agente mensageiro obtém a percepção de uma mensagem enviada pelo agente gestor e a encaminha ao sistema de controle de estoque, vide Figura 3.  Sistema de Controlede Estoque Banco dedadosCliente USUÁRIO  AgenteGestor  AgenteMensageiro   Figura 3 - Arquitetura da sociedade local. O agente gestor faz parte de uma segunda sociedade, chamada de sociedade remota. A sociedade remota consiste em uma sociedade de agentes gestores, sendo que cada agente gestor é representante de uma UBS.Tem por finalidade (neste contexto), gerar a comunicação entre os demais agentes cognitivos da sociedade para realizar o processo de requisição e / ou doação de medicamentos a partir da lista de medicamentos zerados e excedentes. Na véspera do fim de cada ciclo, o agente gestor envia a cota ideal de cada medicamento para o almoxarifado gestor.  Arquitetura das sociedades Ambas as sociedades foram moldadas sob a arquitetura de comunicação orientada a agentes facilitadores, agente complexo que organiza o trabalho entre os agentes da sociedade. O facilitador é responsável por armazenar informações relevantes como a identidade, localização (endereço na rede) e serviços providos pelos agentes da sociedade [10]. Toda vez que um determinado agente entra na sociedade, este anuncia ao agente facilitador a sua entrada e publica as suas funcionalidades (passos 1 e 2 da Figura 4). Toda a comunicação entre os agentes é intermediada pelo agente facilitador. Quando um agente A pretende se comunicar com o agente B, e não possui o seu endereço, este recorre ao agente facilitador (passo 3) para solicitar o endereço na rede do agente B (passo 4) para então realizar a comunicação (passo 5). 1 2345  AgenteFacilitador   Agente A Agente B (Sociedade Local)   Figura 4 - Sociedade intermediada pelo agente facilitador. Protocolo de comunicação entre agentes A comunicação entre os agentes é assíncrona e é feita através de um protocolo de comunicação. O protocolo de comunicação adotado é o Knowledge Query and Manipulation Language (KQML), que dá suporte a alto nível de comunicação entre agentes para realizar a troca de conhecimento e informações [10] [11]. Funcionamento do sistema Em cada ciclo, o agente gestor da UBS realiza cálculos de gestão de estoque para encontrar a cota ideal para o próximo ciclo. A partir de tais cálculos, é obtida a lista de itens que estão em estado de risco. A lista é constituída por itens que irão faltar e / ou sobrar em um período, bem como, a quantidade de dias prevista de duração do estoque. Depois de realizados os cálculos de gestão, o agente gestor informa ao usuário sobre a situação do estoque. Ao observar o estado do estoque, o usuário pode optar por doar e / ou requisitar medicamentos para outras UBSs, ou até mesmo para o almoxarifado gestor. Caso a UBS necessite de medicamentos durante um ciclo, o usuário gera uma lista de requisição de itens a ser enviada para os demais UBSs. Então o agente gestor realiza a ação de encaminhar a lista de requisições para todos os outros demais agentes gestores da sociedade remota, candidatos à doação, passos 1 e 2 da Figura 5. O agente gestor doador realiza a percepção da chegada da lista de requisição de medicamentos, a armazena e realiza a ação de informar o usuário sobre a sua chegada. Se a UBS candidata a doação possui itens excedentes, então o usuário poderá realizar a doação para o setor requisitante. A partir da lista de requisição, o usuário gera a sua proposta à doação.  O agente gestor doador realiza a ação de enviar para o agente gestor requisitante a proposta de doação e espera a sua confirmação de aceitação e / ou rejeição (passo 3 da figura). Ao receber a lista de proposta de doação, o agente gestor requisitante informa o usuário sobre a sua chegada. O usuário por sua vez, analisa a proposta de doação e confirma a aceitação e / ou rejeição (passo 4) que é novamente encaminhada para o respectivo setor doador para gerar a sua efetiva saída. 134(Sociedade Remota)  AgenteGestor B UBS B  AgenteGestor C UBS C  AgenteGestor  A UBS A  AgenteGestor N UBS N222  AgenteFacilitador   AgenteReceptor   AlmoxarifadoGestor    Figura 5 - Processo de requisição e doação de medicamentos entre UBSs. Periodicamente, próximo ao termino de cada ciclo, cada agente gestor da sociedade envia para o almoxarifado gestor a proposta de cota ideal para o suprimento do ciclo seguinte com as cotas corrigidas. Resultados  Apresentação do Estudo de Caso Para a obtenção de resultados do estudo de caso, foi montada uma estrutura similar à realidade encontrada nos municípios. A estrutura utilizada na simulação possui 4 instâncias de UBS, sendo que cada UBS possui um sistema de controle de estoque e sua respectiva base de dados com informações reais com pelo menos 2 anos de uso. Também, foi criado um almoxarifado gestor delegado a realizar todo o processo de gestão de medicamentos em um determinado ciclo. A duração de um ciclo, adotada no estudo de caso, é de um mês. O objetivo do estudo de caso é verificar, de forma genérica, a convergência do estoque de medicamentos real para o estoque ideal (cota ideal) a partir das ações que os usuários da UBS realizam, orientadas pelos agentes gestores. Quanto mais próximo o estoque real se aproximar do ideal, significa que as irregularidades do estoque foram resolvidas através das ações realizadas pelos usuários auxiliadas pelo agente gestor, resultando em uma cota próxima da realidade para cada setor da rede de UBS.  Apresentação dos Resultados Os resultados obtidos da simulação são apresentados nas tabelas Tabela 1, Tabela 2, Tabela 3 e Tabela 4. Estas tabelas representam o consumo de um mesmo item em 4 UBSs distintas no período de um mês. Nas tabelas, a linha pontilhada representa o estoque ideal calculado pelo agente gestor e a linha contínua é o estoque real do setor. Durante o ciclo, o agente gestor auxiliou o usuário no monitoramento e nas tomadas de decisões acerca do seu estoque. A estratégia adotada é aproximar o saldo real ao ideal através de ações realizadas pelo usuário. Em outras palavras, esta ação consiste em normalizar a situação dos itens que estão excedentes e zerados no estoque (cálculo realizado pelo agente gestor). Os itens que iriam atingir a margem de risco foram requisitados aos demais setores da sociedade, através do agente gestor, como mostram os resultados da Tabela 1 e Tabela 3, em que o determinado item estava em risco de faltar e então o usuário realizou a sua requisição para todos os setores por intermédio do agente gestor. Os setores que possuíam tal item em demasia (como é o caso da UBS2 e UBS4) realizaram doação para os setores requisitantes. Na tabela 4 este comportamento pode ser notado como um ligeiro declive de seu saldo próximo a data de 22/03/2006. Já na tabela 2, a quantidade doada é pequena em relação ao seu estoque o que deixa quase que imperceptível no gráfico. Com relação aos itens que possuíam quantidades desnecessárias às suas necessidades, os mesmos foram devolvidos para o almoxarifado gestor. Isto pode ser visualizado a partir da data 22/03/2006 nas tabelas Tabela 2 e Tabela 4. Ao se aproximar o término do ciclo corrente, o cálculo da cota ideal dos itens de cada setor foi enviado para o almoxarifado gestor, para que no próximo ciclo tais setores recebam as cotas de medicamentos corrigidas.
Related Search
Similar documents
View more
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x