INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DEPARTAMENTO DE INGRESSOS/PROEN CONCURSO PÚBLICO – CARREIRA TÉCNICO-ADMINISTRATIVA – EDITAL Nº 05/GR-IFCE/2014

Please download to get full document.

View again

All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
 12
 
  INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DEPARTAMENTO DE INGRESSOS/PROEN CONCURSO PÚBLICO – CARREIRA TÉCNICO-ADMINISTRATIVA – EDITAL Nº 05/GR-IFCE/2014
Share
Transcript
     INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DEPARTAMENTO DE INGRESSOS/PROEN CONCURSO PÚBLICO  –  CARREIRA TÉCNICO-ADMINISTRATIVA  –  EDITAL Nº 05/GR-IFCE/2014 LÍNGUA PORTUGUESA Sobre o sofrimento e sobre a felicidade  Acho que sabedoria é saber sofrer pelas razões certas. Quem não sofre, quando há razões para isso, está doente. [...] Quem é feliz sempre, e nunca sofre, padece de uma grave enfermidade e precisa ser tratado, a fim de aprender a sofrer. Sofrer pelas razões certas significa que estamos em contato com a realidade, que o corpo e a alma sentem a tristeza das perdas e que existe em nós o poder do amor. Só não sofrem, quando há razões para isso, aqueles que perderam a capacidade de amar. Toda experiência de amor traz, encolhida em seu ventre, à espera, a possibilidade de sofrer.  Assim, a receita para não sofrer é muito simples: basta matar o amor. Mas que enorme seria a perda, se isso acontecesse! Porque é o sofrimento que nos faz pensar. Pensamos ou para encontrar formas de eliminar o sofrimento, quando isso é possível, ou para dar um sentido ao sofrimento, quando ele não pode ser evitado. O pensamento, assim, filho da dor, está a serviço da alegria. Todas as mais belas conquistas do espírito humano, da poesia à ciência, nasceram assim. [...] (Retirado do livro Um mundo num grão de areia  –  o ser humano e seu universo , de Rubem Alves. 2002.) 01.  De acordo com o texto,  A) é sábio quem sofre e não se preocupa em fugir dos sofrimentos. B) está doente quem não sabe passar pela dor das perdas e dos sofrimentos. C) o amor nada tem a ver com o sofrimento, pois uma realidade confronta a outra, e quem sabe amar não sofre. D) devemos, como seres inteligentes, rejeitar e eliminar os sofrimentos e buscar viver somente a alegria e o amor. E) sofrer faz parte da vida e saber lidar com os sofrimentos nos torna sábios, capazes de amar e de encontrar a felicidade. O pungente amor “A desc oberta da poesia de Carlos Drummond de Andrade, em 1949, atingiu-me de maneira contraditória: chocou-me e obrigou-me a mudar de rumo. Para que se entenda melhor o que ocorreu, devo esclarecer que a poesia que fazia até ali nascera da leitura dos parnasianos, com os quais aprendera a compor sonetos rigorosamente rimados e metrificados. Ignorava a poesia moderna. Foi a leitura de Poesia até agora , de Drummond, que provocou o choque. Havia no livro um poema que falava em „lua diurética‟. Fiquei perplexo: aquil o não podia ser poesia, disse- me, pois para mim era, por exemplo: „Ora direis, ouvir estrelas, certo,/ perdeste o senso...‟ ou „Hão de chorar por ela os cinamomos...‟ Lua diurética não tinha nada a ver... Mas não conseguia largar o livro de Drummond. Lia e relia alguns dos poemas que mais me perturbavam. E terminei tomando uma decisão: ler os críticos modernos para entender o que era de fato aquela poesia antipoética. [...]  A verdade é que, agora, quando releio alguns poemas de Drummond daquela época, me reconheço neles, percebo que sua fala está entranhada na minha, que aprendi com ele „o pungente amor‟ da vida.”  (Texto de Ferreira Gullar. Revista Cult, n. 26. 1999) 02.  Encontramos reflexões apropriadas sobre o texto em todos os itens abaixo, exceto  em  A) para Gullar, recorrer à crítica moderna fez com que compreendesse o estilo de Drummond, que tanto estranhamento lhe causou, mas não implicou em mudanças no seu fazer poético, pois a poesia deste último era mesmo uma “poesia antipoética”. B) a poesia de Drummond causou profundo choque em Gullar, que julgou não estar diante do que entendia por poesia de fato. C) a experiência de Gullar com a perfeição formal dos parnasianos foi a principal causa do estranhamento sentido com a poesia de Drummond, dada a diferença formal e até vocabular utilizada por este último. D) Gullar demonstra espanto e fascínio pela poesia de Drummond, apesar das diferenças entre o seu próprio fazer poético e o do referido autor. E) Gullar, não apenas se atém a informar sobre a poesia diferenciada de Drummond, mas revela que o choque causado pelo fazer poético desse autor o levou, não só a buscar compreendê-lo, mas acabou por mudar sua própria poesia, reconhecendo-se no que antes lhe pareceu absurdo. 03.  Parônimas são palavras parecidas na pronúncia e na escrita e com significados diferentes. A relação entre o termo e o seu significado está correta  em  A) Arrear: abaixar; Arriar: enfeitar. B) Comprimento: extensão; Cumprimento: saudação. C) Deferir: divergir; Diferir: conceder. D) Emergir: mergulhar; Imergir: vir à tona. E) Eminente: que ameaça acontecer; Iminente: elevado.  04.  Preenchem correta  e respectivamente as frases as palavras da opção I. Trouxeram o _______, importante símbolo religioso, e o colocaram sobre o altar; II. A intensidade do _______ sofrido pelo Japão abalou a todos; III. Quando a senhora idosa chegou, o jovem lhe concedeu o _______; IV. Por suas palavras e comportamento, compreendemos ele que era _______; V. Fizemos uma intensa vigília de _______ pela recuperação dele.  A) círio; cismo; acento; acético; intersecção. B) sírio; cismo; acento; ascético; intercessão. C) círio; sismo; assento; ascético; intercessão. D) sírio; cismo; assento; acético; intersecção. E) círio; sismo; acento; acético; intersecção. 05.  São exemplos de metáfora, exceto   A) O pavão é um arco-íris de plumas. (Rubem Braga) B) Lá fora, a noite é um pulmão ofegante. (Fernando Namora) C) Hitler foi cruel como uma fera selvagem. D) O enorme rio é uma serpente no meio da floresta. E) Os medos são o porão da alma. 06.  A correspondência entre a frase e a figura de linguagem empregada está falsa  em  A) Não tinha teto onde se abrigasse. (metonímia) B) Suas palavras são como folhas levadas pelo vento. (comparação) C) A voz doce e aveludada dela enchia-me o coração. (sinestesia) D) O metrô, a toda hora, cospe e engole gente. (prosopopeia) E) Você faltou com a verdade e isso é imperdoável. (antítese) 07.  As palavras de cada opção estão devidamente grafadas, exceto  em  A) viajem (verbo), gengiva, lanugem. B) viagem (substantivo), lisonjeiro, gorjeando. C) granjeiro, interjeição, subjetivo. D) lajedo, gorgeta, sargeta. E) canjica, jenipapo, pajé. 08.  Há erro  de grafia nas palavras  A) contorção; farsa; concessão. B) suscetível; florescer; auxílio. C) excessivo; excitar; néscio. D) excessão; excurssão; hortência. E) fascinante; massagista; submissão. 09. O comentário sobre o emprego do sinal de crase está falso  em  A) Ele chegará às nove horas desta terça-feira. (Uso devido: utiliza-se crase em locuções adverbiais femininas de tempo). B) Na partida de ontem, o atacante botafoguense fez um gol à Garrincha. (Uso indevido: não se utiliza crase antes de nome masculino). C) Por falha técnica, o avião retornou à pista de pouso. (Uso devido: o termo regente exige preposição e o termo regido é uma palavra feminina que admite o artigo A). D) Ficava mais ansiosa, à medida que o tempo passava. (Uso devido: utiliza-se crase na locução conjuntiva feminina à medida que ). E) Fui favorável à sua decisão. (Uso facultativo: os pronomes possessivos femininos podem ser empregados com ou sem o artigo feminino, podendo, por isso, usar-se ou não o acento grave indicativo de crase). 10.  O sinal de crase deve ser empregado em  A) Iremos todos a cavalo. B) Estou disposta a desafiar quem quer que seja. C) Logo após a aula, irei a casa de meus pais. D) Sua viagem a Roma foi cancelada? E) Não quis encará-lo frente a frente. 11.  Classifique o A  destacado de cada frase. I. Ontem nós compramos a  casa que desejávamos; II. Ana vai a  muitas festas; III. Procurei a bolsa em toda parte, mas não a  encontrei; IV. A agenda que eu queria não era esta, mas sim a  que você comprou.  A) artigo definido; preposição; pronome oblíquo; pronome demonstrativo. B) artigo indefinido; pronome oblíquo; preposição; pronome oblíquo. C) pronome oblíquo; preposição; pronome indefinido; preposição. D) preposição; pronome oblíquo; pronome oblíquo; pronome demonstrativo. E) artigo definido; pronome demonstrativo; preposição; pronome oblíquo. 12.  A classificação da palavra destacada está incorreta  em  A) Sou o freguês que  compra o jornal todos os dias. (pronome) B) Embora  deseje te perdoar, não consigo. (conjunção) C) O talento forma-se na solidão . (substantivo) D) O amar   é essencial à vida. (verbo) E) É um homem de  coragem. (preposição)  13.  Leia o texto e aponte a devida e respectiva classificação gramatical dos termos grifados. “As pessoas só observam as cores do dia no começo e no fim, mas para mim está muito claro que o dia se funde através de uma multidão de matizes e gradações, a cada momento que passa. Uma só hora pode consistir em milhões de cores diferentes ”. (Trecho adaptado de “A menina que roubava livros”).   A) conjunção concessiva; numeral; substantivo; interjeição; adjetivo. B) conjunção adversativa; adjetivo; substantivo; conjunção; pronome indefinido. C) conjunção adversativa; conjunção aditiva; substantivo; conjunção; numeral. D) conjunção concessiva; adjetivo; substantivo; preposição; adjetivo. E) conjunção adversativa; advérbio; substantivo; preposição; adjetivo. 14.  A justificativa para o emprego das vírgulas está incorreta  em  A) O céu, a terra, o mar, tudo reflete a glória de Deus. (Usa-se vírgula para separar palavras ou orações  justapostas assindéticas). B) Escute, André, você deve ir embora agora! (Usa-se vírgula para isolar o vocativo). C) Lentos e tristes, os retirantes iam passando. (Usa-se vírgula para separar certos predicativos). D) Esta manhã, que foi de sol ardente, registro trinta e cinco graus. (Usa-se vírgula para separar orações adjetivas explicativas). E) As explosões inesperadas, violentando o silêncio da noite, agitaram todos os moradores. (Usa-se vírgula para separar adjuntos adverbiais). 15.  A vírgula foi empregada, para indicar a elipse de um termo, em  A) Experimentei, aos poucos, a dor de perder alguém. B) Uns dizem que acreditam em Deus; outros, que não. C) Amar é uma decisão, isto é, uma atitude e não apenas um sentimento. D) Já sei de tudo. Chega, pois, de mentiras. E) O dinheiro, Ana o trazia consigo. 16.  Considere as seguintes frases: I. Pedro ou João _________ com Rayana; II. Cada um dos _________ a quadra; III. _________ muitas tragédias neste ano; IV. _________ de técnicos. Com obediência à concordância, na sequência, as formas que preenchem os espaços são  A) casarão; abandonaram; aconteceu; precisa-se. B) casarão; abandonou; aconteceu; precisa-se. C) casará; abandonou; aconteceram; precisa-se. D) casarão; abandonaram; aconteceram; precisam-se. E) casará; abandonou; aconteceram; precisam-se. 17.  A concordância verbal está correta  em  A) Fazem anos que estudo regras de gramática e nunca aprendo. B) Houveram muitos dias ruins para mim na escola. C) Aqui, conserta-se televisores. D) Ainda faltam comprar os cartões. E) Um bloco de foliões animava as ruas da cidade. 18.   Não  seguem a mesma regra de acentuação gráfica:  A) sábio; planície; nódoa. B) dólar; revólver; vômer. C) táxi; júri; biquíni. D) país, freguês, chapéu. E) gambá; você; vovô.   19.  Leia atentamente as informações e aponte a alternativa que contém a resposta correta . (01) De acordo com o Manual da Presidência da República, o aviso , o ofício  e o memorando  devem conter as mesmas partes, dentre as quais, o tipo e o número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede; local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita; o assunto; e o destinatário, onde se coloca o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação. No caso do ofício, deve ser incluído também o endereço. (02) A única diferença entre aviso  e ofício  é que o aviso é expedido exclusivamente por ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares. (03) O memorando  é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente no mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. Tem caráter unicamente administrativo, sem abertura para a exposição de projetos ou diretrizes a serem adotados por determinado setor do serviço público. (04) O correio eletrônico ( "e-mail  "), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos. Nos termos da legislação em vigor, a mensagem de correio eletrônico ainda não apresenta valor documental  , isto é, ainda não é aceito como documento srcinal em nenhuma circunstância.   A) todos os itens estão incorretos. B) todos os itens estão corretos. C) apenas os itens 01, 02 e 04 estão corretos. D) apenas os itens 01 e 02 estão corretos. E) apenas os itens 03 e 04 estão corretos. 20.  Leia atentamente as informações e aponte a alternativa que contém a resposta correta . Quanto à forma das correspondências oficiais: (01)  Aviso  e ofício  seguem o modelo do  padrão ofício , com acréscimo do vocativo , que invoca o destinatário, seguido de vírgula. Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício  as seguintes informações do remetente: nome do órgão ou setor; endereço postal; telefone e endereço de correio eletrônico. (02) Quanto à forma, o memorando segue o modelo do  padrão ofício ,   com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa. (03) Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação do  padrão ofício . Deve vir acompanhada por um anexo que proponha alguma medida ou apresente projeto de ato normativo, conforme modelo especificado. De acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.  A) todos os itens estão incorretos. B) todos os itens estão corretos. C) apenas os itens 01 e 03 estão corretos. D) apenas os itens 01 e 02 estão corretos. E) apenas os itens 02 e 03 estão corretos. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21.  Na informática, existem várias unidades de medida, para expressar o tamanho de um determinado arquivo. A quantidade de bytes de um arquivo que tem o tamanho de 4,8 Gigabytes(Gb) é  A) 4800000000. B) 4294967296. C) 1073741824. D) 41231686041.6. E) 5153960755.2. 22.  São exemplos de sistemas operacionais (S.O.) atuais:  A) Linux Ubuntu 14.04, Napster 3.0 e Google Chrome OS. B) Microsoft Windows 8, Mac OS X "Yosemite" e Linux Kubunutu 14.04. C) Microsoft Windows 8, FreeBDS e Android 4.4.4 KitKat. D) Symbian OS, Windows Phone 8 e VM VirtualBox. E) Microsoft Windows Seven, Unix e BrOffice. 23.  São os principais formatos de sistema de arquivos disponíveis para Linux:  A) ReiseFS, Ext4, SWAP. B) NTFS, HFS, SWAP. C) FAT32, NTSS, HSF. D) Reise4, JFS, XSF. E) NTFS, MFS, ReiserFS. 24.  O sistema de arquivo que suporta a tecnologia JOURNALING tem como premissa básica manter um registro sobre o que o sistema de arquivo irá fazer, antes que ele efetivamente o faça, de modo que, se o sistema falhar antes da execução do trabalho planejado, é possível, após a reinicialização do sistema, recorrer ao log, para descobrir o que estava acontecendo no momento da parada. Esse tipo de tecnologia já está em uso em sistemas  A) NTFS, ext32 e UNIX. B) FAT, FAT16 e FAT32. C) SWAP, JFFS e NTFS. D) NTFS, ext3 e ReiserFS. E) NTFS, ext e Reiser4. 25.  Periféricos são equipamentos ou placas que enviam ou recebem informações do computador. São classificados em vários tipos: entrada, saída, processamento, armazenamento, externos e mistos (entrada/saída). Os mistos são os que recebem ou enviam informações do e para o computador. São exemplos destes tipos de periféricos:  A) digitalizador, teclado e drive de DVD. B) pendriver, impressora e joystick. C) modem, monitor touchscreen e drive de DVD. D) trackball, digitalizador e caixa de som. E) impressora, teclado e mouse. 26.  Cada computador apresenta características particulares, por exemplo, o tipo de memória que está instalado e a quantidade de periféricos “extras”. Mesmo dois computadores baseados em um mesmo processador poderão ser bastante diferentes. Por esse motivo, é necessário informar ao chipset, ao processador e ao sistema operacional qual a configuração do computador. Essa configuração é feita através de um programa chamado Setup. Atualmente, na maioria dos computadores, o Setup está gravado na memória ROM do computador, juntamente com outros dois programas:  A) BIOS e POST. B) POST e BootLoader. C) BIOS e Boot oader. D) POST e CMOS. E) BIOS e Boot. 27.  Analise as seguintes afirmações. I. Um paradigma de programação fornece e determina a visão que o programador possui sobre a estruturação e execução do programa.
Related Search
Similar documents
View more
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks