Drenagem de toráx e traqueostomia

Please download to get full document.

View again

All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
 5
 
  Drenagem de toráx e traqueostomia. Internato Obrigatorio de Cirurgia Geral I Alunos: Nathalia Ludumia Gustavo Queiroz Thalles Wilson. Drenagem de toráx. Introdução.
Share
Transcript
Drenagem de toráx e traqueostomiaInternato Obrigatorio de Cirurgia Geral IAlunos: Nathalia LudumiaGustavo QueirozThalles WilsonDrenagem de toráxIntrodução
  • A drenagem torácica tem como objetivo a manutenção ou restabelecimento da pressão negativa do espaço pleural. Ela é responsável pela remoção de ar,líquidos e sólidos (fibrina) do espaço pleural ou mediastino, que podem ser resultantes de processos infecciosos, trauma, procedimentos cirúrgicos entre outros.
  • Abordagens
  • Toracocentese
  • Drenagem pleural
  • Toracocentese
  • Técnica que permite a extração de um liquido anormal acumulado no espaço pleural por meio de uma agulha ou cateter introduzidos percutâneamente pela parede torácica até o espaço pleural.
  • Fins diagnósticos e terapêuticos
  • Anatomia da pleura
  • Esplancnopleura e Somatopleura
  • Pleura parietal: pleura cervical, pleura costal, pleura mediastínica e pleura diafragmatica.
  • Espaço pleural: liquido que funciona como lubrificante e transmite as forças respiratórias entre o pulmão e cavidade torácica
  • Pleura visceral: recobre ambos os pulmões acompanhando as fissuras
  • Derrame pelural
  • Desequilibrio na lei fe Frank- Starling
  • Pressão hidrostatica aumentada
  • Pressão pleural negativa aumentada
  • Permeabilidade capilar aumentada
  • Pressão oncotica plasmática diminuida
  • Drenagem linfatica diminuida
  • Exdudatos X Transudatos
  • Proteina do liquido pleural/proteína séria maior que 0,5
  • LDH do liquido pleural/ LDH sérico maior que 0,6
  • LDH do liquido pleural 1,67 vezes maior que o soro normal
  • Etiologia dos derrames pleurais Trasudativos
  • ICC
  • Cirrose
  • Condições hipoalbuminêmicas
  • Retenção/Sobrecarga hídrica
  • Embolismo pulmonar
  • Colapso pulmonar
  • Síndrome de Meigs
  • Etiologia dos Derrames Exsudativos
  • Malignos
  • Carcinoma broncogênico, carcinoma metastático, linfoma,mesotelioma, adenocarcima pleural
  • Infeccioso
  • Bacteriano/parapneumonico, empiema, tuberculose, fúngico, viral e parasitário
  • Relacionados à Colagenoses
  • Artrite reumatoide, Granulomatose de Wegener, LES, Síndrome de Churg-Strauss
  • Relacionados com doença Gastrintestinal
  • Perfuração esofagica, abscesso subfrenico, pancreatite, Sindrome de Meigs
  • Outras
  • Quilotorax, uremia, sarcoidose, ápos irradiação, trauma, embolismo pulmonar, asbestose
  • Indicações Toracocentese
  • Derrame pleural de causa desconhecida ou de evolução progressiva
  • Insuficiencia cardiaca com derrame unilateral acompanhado de dor toracica e febre
  • Pneumonia com derrame pleural sem cura após antibioticoterapia
  • Cirrose com derrame suspeito de infecção
  • Compressão pulmonar
  • Contra-indicações
  • Absolutas X Relativas
  • Discrasias sanguineas, anticoagulação terapeutica, ventilação mecânica, infecção de pele toracica, incapacidade de colaboração do paciente e derrame de pequeno volume
  • Procedimento
  • Orientação
  • Posição do paciente
  • Anestesia
  • Exames complementares
  • Video do procedimentoComplicações
  • Liquido pleural parou de drenar
  • Liquido pleural sanguinolento
  • Tosse durante o procedimento
  • Diminuição dos ruídos pulmonares ápos o procedimento
  • Video do procedimentoTraqueostomia Traqueotomia x Traqueostomia História A traqueostomia era utilizada desde o primeiro século A.C. Começou a ser utilizada de forma regular a partir do século XIX por Trousseau e Bretonneau no manejo da Difteria No início do século XX, Chevalier Jackson, descreveu a operação de forma mais refinada.Durante esse período, o procedimento foi utilizado para tratar os casos de Poliomelite que cursavam com paralisia dos músculos respiratórios. Intubação Endotraqueal x Traqueostomia Para os casos, que há a necessidade de ter o controle da via aérea por um curto período, a intubação endotraqueal é o tratamento de escolha. A traqueostomia é utilizada quando o paciente não pode ser intubado, ou para fornecer um acesso da via aérea por um longo período aos pacientes dependentes de VM. Indicações Gerais Permitir um suporte ventilatório adequado.Desviar de uma obstrução de via aérea superior.Fornecer uma via para o toalete traqueal e para remoção de secreções retidas. Suporte Ventilatório Prolongado CrônicoDesvio de obstrução de via aérea superior Paralisia de corda vocal Trauma Queimaduras e corrosivosCorpo estranho Estenose glótica ou subglótica InfecçãoNeoplasiaPós-operatórioToalete traqueal Fraqueza generalizada Alteração do estado mental Doença neuromuscularExcesso de secreções Entubação Endotraqueal Vantagens Desvantagens
  • Colonização bacteriana da via aérea
  • Extubação inadvertida
  • Lesões laríngea
  • Estenose traqueal
  • Sinusite purulenta (intubação nasotraqueal)
  • Desconforto para o paciente
  • Via aérea de confiança Evita complicações cirúrgicas Traqueostomia - VantagensEvita lesão direta Laríngea Facilita cuidado da enfermagem Via aérea mais segura Aumenta o conforto do paciente Permite o paciente discursar Fornece benefício psicológico Favorece o desmame da ventilação mecânica Melhor higiene oral Diminui o risco de PAVTraqueostomia – Desvantagens Complicações Colonização bacteriana da via aérea Custo Cicatriz cirúrgica Estenose de traquéia Classificação
  • Quanto a altura
  • Alta
  • Média: 2° e 3° anéis;
  • Baixa: 4 e 5 anéis.
  • Finalidade:
  • Preventiva Curativa Paliativa
  • Quanto ao tempo:
  • Emergência Eletiva
  • Tempo de permanência
  • Temporária
  • Definitiva
  • Técnica Anatomia TécnicaA traqueostomia eletiva convencional deve ser realizada em um ambiente cirúrgico, que possui instrumental, iluminação e assistência adequada. O procedimento começa com o posicionamento do paciente, que deve estar em decúbito dorsal com um coxim sob os ombros e o pescoço em extensão. Técnica Operatória
  • Cuidados gerais;
  • Posicionamento;
  • Incisão;
  • Abertura da rafe mediana;
  • Abertura da traquéia;
  • Introdução da cânula traqueal;
  • Fechamento e Curativo.
  • Vídeo Cuidados Pós-operatóriosFixação;Anti-sepsia;Limpeza de cânula;Troca da cânula;Umidificação;Monitorização da pressão do balonete;Monitorização e cuidados da enfermagem;Decanulação.ComplicaçõesIntra-operatórias SangramentoMau posicionamento do tuboLaceração traqueal e fístula traqueoesofágicaLesão do nervo laríngeo recorrentePneumotórax e pneumomediastinoParada cardiorrespiratóriaComplicaçõesComplicações precocesSangramentoInfecção da ferida / celulite Enfisema subcutâneoObstrução da cânulaDesposicionamento da cânula Disfagia ComplicaçõesComplicações tardiasEstenose traqueal e subglóticaFístula traqueoinominadaFístula traqueoesofágicaFístula traqueocutâneaDificuldade de extubação Traqueomalácia Déficit crônico de deglutição e fala Traqueostomia Percutânea É um método que permite a introdução de cânulas de traqueostomia, de diâmetro semelhante ao da traqueostomia convencional, e na mesma localização que a traqueostomia convencional (3Q e 4Q anéis traqueais), por meio de uma punção percutânea. Traqueostomia PercutâneaÉ uma traqueostomia realizada sem a dissecção cirúrgica convencional .Rápida execução; poder ser realizada à beira do leito (o que torna o método de menor custo); poder ser realizado por não-especialistas, além de possuir um resultado estético melhor. Traqueostomia PercutâneaContra-indicações relativas incluem: idade precoce (menos de 16 anos), incapacidade de palpar as cartilagens tireóide e cricóide, uma glândula tireóide aumentada, anéis traqueais calcificados e discrasias sangüíneas. Uma contra-indicação absoluta é o seu uso para um acesso de urgência das vias aéreas.TécnicaO método propriamente dito consiste na palpação da cartilagem cricóide para que se possa presumir a localização do 2 ou 3 anéis traqueais. Em seguida, uma agulha é então introduzida na luz traqueal, é passado um fio-guia metálico, que servirá de guia para a introdução de dilatadores seqüencialmente maiores, até que se possa introduzir a cânula de traqueostomia propriamente dita. Vídeo Traqueostomia de emergência Procedimento com uma dificuldade moderada exigindo treinamento, habilidade, experiência, assistência adequada, tempo, iluminação adequada, e equipamentos apropriados. Compreende risco a estruturas neurovasculares próximas O risco de complicação é 2 a 5 vezes maior do que uma traqueostomia eletiva. Indicação Trauma de pescoço anterior com compressão laríngea.Trauma grave facial Obstrução laríngea aguda
    Related Search
    Similar documents
    View more
    We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks