Programa de Combate ao Câncer de Boca Program of Combat to the Cancer of Mouth

Please download to get full document.

View again

All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
 10
 
  Programa de Combate ao Câncer de Boca Program of Combat to the Cancer of Mouth
Share
Transcript
  137 Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 4 (2): 137-144, mai/ago., 2005 www.cro-pe.org.br  Programa de Combate ao Câncer de Boca Vidal, A.K.L.., et al Programa de Combate ao Câncer de Boca Program of Combat to the Cancer of Mouth  Aurora Karla de Lacerda Vidal*, Elizabeth Azevedo Soares**, Renata Cimões Jovino-Silveira***, Emanuel Sávio de Souza Andrade****, José Ricardo Dias Pereira****, Arnaldo da França Caldas  Júnior*****, Eliane Helena Alvim de Souza*****, Cláudia Vidal******, Fátima Matos*******, Bar-tolomeu Melo*******, Sylvio Vasconcellos******* * CD, professora do departamento de Patologia - ICB/UPE Presidente do CRO-PE** CD, professora de Pós-graduação em Odontologia - CCS/UFPE*** CD, professora do departamento de Prótese e Cirurgia Buco-Facial - UFPE**** CD, professor do departamento de Medicina Oral - FOP/UPE***** CD, professor do departamento de Odontologia Preventiva e Social - FOP/UPE****** Médica, Núcleo de Epidemiologia - HUOC/UPE, HC/UFPE******* Médico, departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço - HCP Correspondência para / Correspondence to : CRO-PE / Comissão de Projetos Intitucionais Av. Norte, 2930 - Rosarinho - Recife PE - BrasilCEP 52041-080 - e-mail: cro-pe@cro-pe.org.br   Notas de Pesquisa /   Search Notes ResumoDescritores  AbstractKey-words A proposta do Programa de Combate ao Câncer de Boca, visa ao incremento de ações para prevenção e diagnóstico precoce do câncer bucal, buscando reduzir os índices de mortalidade por esta neoplasia através de ações edu-cativas, divulgação do auto-exame, bem como promovendo o diagnóstico precoce, instituindo assim a “Semana de Combate ao Câncer de Boca” a ser realizada no período de 18 a 25 de outubro de 2005 e demais anos subse-quentes. O Programa foi encaminhado ao Conselho Federal de Odontologia que, por unanimidade, se mostrou favorável a sua implantação bem como o Coordenador Nacional de Saúde Bucal/MS, que considera louvável as ações dos órgãos de classe. Assim, no Estado de Pernambuco, as classes médica e odontológica estão unidas nesta luta, crendo que o exemplo poderá ser seguido pelos demais Estados brasileiros nos próximos anos. The proposal of the Program of Combat to the Cancer of Mouth, aims at to the increment of action for prevention and precocious diagnosis of the buccal cancer, searching to reduce the indices of mortality for this neoplasia through educative actions, spreading of the auto-examination, as well as promoting the diagnosis precocious, thus instituting the “Week of Combat to the Cancer of Mouth” to be carried through in the subsequentes period of 18 the 25 of October of 2005 and too much years. The Program was directed to the Federal Advice of Odontologia that, for unamimity, if showed favorable its implantation as well as the National Coordinator of Bucal/MS Health, that considers praiseworthy the actions of the classroom agencies. Thus, in the  State of Pernambuco, the classrooms medical and odontológica are joined in this fight, believing that the example could be followed by the too much Brazilian States in the next years.  138 Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 4 (2): 137-144, mai/ago., 2005 www.cro-pe.org.br  Programa de Combate ao Câncer de Boca Vidal, A.K.L.., et al INTRODUÇÃO A preocupação com a elevada taxa de mortalidade e morbidade do câncer de boca no Brasil é relatada há mais de cem anos. Em 1938 Mário Kroeff, através de palestras, pro-curava conscientizar a comunidade em geral e os profissionais de saúde sobre a importância do diagnóstico precoce dessa doença. A partir de então, conforme referências de MENEZES FILHO 24 (1989) e SALT et al 44 (1988), observou-se um gradativo processo de valorização dos conhecimentos concernentes a tal enfermidade. Porém, os perfis epidemiológicos atuais demonstram que os índices de casos de câncer de boca permanecem inalterados, ou mesmo superiores em algumas localidades. Mesmo tendo a prevenção assumido um papel significativo, no modelo de saúde brasileiro, o câncer bucal continua constituindo-se, pelos altos índices de morbidade e mortalidade, em um problema nacional de saúde pública (MS 29  2002).Fontes do Ministério da Saúde atestam que a procura por assistência, considerando-se o câncer de boca, ocorre predominantemente nos estágios III e IV da doença, onde os tratamentos são radicais e a sobrevida média é de 05 anos. Este fato concorre para o elevado número de óbitos por esta doença, no período de 06 a 12 meses da época do diagnós-tico, configurando o diagnóstico tardio, e a necessidade de investimentos nesta área (MS 28  1997). Cerca de 5% de todos os casos de neoplasias ma-lignas estão localizados na boca e, dentre os cânceres bucais, mais de 90% são Carcinomas de Células Escamosas (CEC), que poderiam ser facilmente identificados nas regiões de cavidade bucal e buco/faríngea sem necessidade de técnicas especiais, tendo em vista o fácil acesso para o exame direto, sendo os mesmos responsáveis por 99% dos óbitos por câncer de boca, como ressaltam ABULAFIA 01 ; ACKERMAN 02 ; BARBOSA e FONSECA 07 ; BERNIER 09 ; CATANZARO GUIMARÃES 13 ; NG e SIAR 24 ; WALDRON 42 .Os carcinomas podem ser precedidos, ou até coexistirem com certas lesões do epitélio bucal, às quais é atribuído um potencial malignizante; em outros casos, essas lesões clínicas são consideradas precursoras dos carcinomas; daí, serem denominadas de lesões pré-malignas ou pré-cancerosas, cancerizáveis ou potencialmente malignas. (BORK, HOEDE e KORTING 11 ; ESTEVAM 14 ; TOMMASI 37,38 )Existem meios semiotécnicos para a identificação das lesões malignas e precursoras, destacando-se a Citologia Esfoliativa, a Citopunção e as Biópsias que devem ser correta e adequadamente indicadas e executadas, em tempo hábil,  visando melhor prognóstico e tratamento adequados.A Citologia Esfoliativa, que compreende o estudo das células naturalmente descamadas ou retiradas artificialmente da superfície dos tecidos, sua importância, como meio de diagnóstico, reside no fato de que as alterações das células superficiais podem ser o reflexo daquelas do tecido adjacente. (MICHALANY 21,22 )Preconizada por Papanicolaou e Traut em 1941, como método prático no diagnóstico precoce do câncer de colo ute-rino e paralelamente auxiliada por MEIGS et al em 1943, na Escola de Medicina de Haward, a Citologia Esfoliativa não deixa dúvidas sobre sua eficácia 04, 15, 27, 28, 29, 36 . Para BAKER 06 ; KOSS 16 ; NAIB 23 ; PAPANICOLAOU e TRAUT 30 ; e, PAPANICOLAOU 31  a citologia esfoliativa é um método fidedigno e o mais econômico para pesquisar células cancerosas, e para indicação de biópsia nos casos suspeitos. A Citologia Cervical tem papel fundamental na prevenção de câncer de colo uterino, reduzindo o número de casos de câncer; a punção aspirativa por agulha fina na mama tem evi-tado a realização de biópsias cirúrgicas, por ser o diagnóstico citológico de carcinoma suficiente para encaminhar a paciente para a cirurgia definitiva; também em outros órgãos, o exame citológico tem valor significativo de diagnóstico preventivo e diferencial (ANDRADE et al 03 ). A Citologia Esfoliativa não é para substituir o exame anátomo-patológico, e sim, mais um elemento que permite esclarecer e orientar o diagnóstico, e seu uso é plenamente  justificável na odontologia. Destacam ARAÚJO 04,05 , OGDEN et al 27,28 ; PERSOGLIA 32 ; TZANK 39,40 , VIDAL e SILVA 41 , que as lesões iniciais do carcinoma bucal em muito se confundem com outras lesões não malignas, e o diagnóstico nessa fase inicial seria o ideal, mas dificilmente ocorre; contudo, a citologia esfoliativa preenche esta lacuna. Portanto, na estomalogia, a citologia esfoliativa, método diagnóstico bastante útil, não deve ser relegado, mas, praticado rotineiramente para diagnosticar o carcinoma de células esca-mosas, analogamente ao câncer de colo uterino, e ainda para estudo não só de células, mas de material presente na super-fície de lesões, para esclarecimento de patologias específicas, como lesões de pênfigo, herpes simples, paracoccidioidomico-se, actinomicose, candidíase e material colhido por aspiração de lesões císticas. 04, 05,   08,   10,   12,   18,   20,   25,   26,   34,   35,   43 .E ainda, analogamente ao câncer de mama onde o auto-exame favorece o diagnóstico precoce, também na região de boca, face e pescoço este exame pode ser o diferencial entre a consecução do diagnóstico precoce e do tardio, o que deve ser considerado pois, epidemiologicamente, mais de 90% dos indivíduos acometidos por carcinoma bucal estão acima dos 45 anos de idade, uma faixa etária muito representativa para a comunidade (VIDAL e SILVA, 2000). É necessário conhecer a magnitude da situação epi-demiológica do câncer de boca, para que ações de prevenção e controle do câncer bucal sejam otimizadas, sendo imperioso atuar junto à população, pois este conhecimento não deve ser restrito apenas aos hospitais, universidades e trabalhos de pesquisa, mas utilizado em prol da melhoria de vida para a população (VIDAL et al, 2002). Faz-se necessário que se ampliem as campanhas de conscientização, ações de educação continuada, disponibiliza-ção de exames preventivos e, finalmente a realização do Diag-nóstico Precoce em Caráter Nacional, ou seja, este Programa deve ser implementado em todo território nacional. OBJETIVOS Geral:aumentar a eficiência da prevenção do câncer bucal.Específicos: A) incrementar a realização de exames bucais direcio-nados; B) aumentar as ações educativas e de divulgação do auto-exame; C) promover o diagnóstico precoce. METAS 1. Valorização da Saúde Bucal;2. Redução dos índices de Mortalidade por esta neo-plasia;3. Instituir a Semana de Combate ao Câncer de Boca.  139 Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 4 (2): 137-144, mai/ago., 2005 www.cro-pe.org.br  Programa de Combate ao Câncer de Boca Vidal, A.K.L.., et al METODOLOGIA A Semana de Combate ao Câncer de Boca, no período de 18 a 25 de outubro de 2005, todos os Hospitais Públicos (departamento de cabeça e Pescoço/ departamento preven-tivo/ departamento de odontologia) e Serviços Odontológicos Públicos - Equipes do Programa de Saúde da Família - do Estado de Pernambuco deverão realizar palestras educati- vas sobre a doença, fatores de risco e de proteção, meios e métodos diagnósticos, ensinar e estimular a realização do auto-exame de face, pescoço e boca. Sendo realizados exames diagnósticos e orientações preventivas, devendo os casos diagnosticados serem encaminhados de imediato para o tratamento adequado, nas referências identificadas previamente. Para o desempenho da atividade educativa e dos exames preventivos/ diagnósticos os profissionais deverão receber o material de divulgação (folder - FIG.1 / banner – FIG.2) sobre o câncer de boca e o auto-exame. O treinamento prévio (se necessário) dos profissionais responsáveis pelo desenvolvimento do programa no Estado e nos Municípios pernambucanos será realizado pelos autores, coordenadores e assessores deste Programa. Quadro 1 RECOMENDAÇÃO Faz-se necessário a criação de 01 (uma) SEMANA DE COMBATE AO CÂNCER DE BOCA a cada ano, reforçando a in-dicação de realização do auto-exame de face, pescoço e boca até que se crie a cultura de prevenção e diagnóstico precoce do Câncer de Boca, e possamos constatar redução na incidência de mortalidade por esta neoplasia e aumento do número de casos diagnosticados mais precocemente, além do controle dos fatores de risco e promoção dos fatores de proteção. PÚBLICO ALVO 5.1. população do Estado de Pernambuco (prevenção/ diagnóstico);5.2. cirurgiões-dentistas, médicos otorrinolaringologistas, médicos oncologistas de cabeça e pescoço, técnicos de higiene dental, auxiliares de consultório dentário, técnicos de prótese dentária, agentes comunitários de saúde do Programa Saúde da Família e Postos de Saúde Municipais e Estaduais , bem como dos serviços privados.folder - FIG.1  140 Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 4 (2): 137-144, mai/ago., 2005 www.cro-pe.org.br  Programa de Combate ao Câncer de Boca Vidal, A.K.L.., et al banner – FIG.2Quadro 1 CONTEÚDO/ CARGA – HORÁRIA A GENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS) - CARGA-HORÁRIA TOTAL = 08 H/A AULAS TEÓRICAS (carga-horária = 04h)1. Conceito de Câncer 2. Etiologia do câncer bucal3. Fatores de risco para o câncer bucal/formas de prevenção  141 Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 4 (2): 137-144, mai/ago., 2005 www.cro-pe.org.br  Programa de Combate ao Câncer de Boca Vidal, A.K.L.., et al 4. Lesões potencialmente malignas5. Cânceres bucais (carcinoma epidermóide)6. Exame clínico7. Auto-exame bucal 8. Conduta frente à identicação de uma lesão bucal AULAS PRÁTICAS (carga-horária = 04h)1. Exame clínico2. Auto-exame bucal 3. Identicação de fatores de risco para o câncer bucal4. Identicação de lesões na mucosa bucal Auxiliar de Consultório Dentário (ACD) - carga-horária total = 08 h/aAULAS TEÓRICAS (carga-horária = 04h)1. Conceito de Câncer 2. Etiologia do câncer bucal3. Fatores de risco para o câncer bucal/ formas de prevenção4. Lesões potencialmente malignas5. Cânceres bucais (carcinoma epidermóide)6. Exame clínico7. Auto-exame bucal8. Necessidade e importância dos exames complementares 9. Conduta frente à identicação de uma lesão bucal AULAS PRÁTICAS (carga-horária = 04h)1. Exame clínico2. Auto-exame bucal 3. Identicação de fatores de risco para o câncer bucal4. Identicação de lesões na mucosa bucal 5. Palestras educativas CIRURGIÃO-DENTISTA (CD) - CARGA-HORÁRIA TOTAL = 16 H/A AULAS TEÓRICAS (carga-horária = 08h)1. Conceito de Câncer 2. Carcinogênese3. Etiologia, epidemiologia e patogenia do câncer bucal4. Fatores de risco para o câncer bucal/ formas de prevenção5. Lesões potencialmente malignas6. Cânceres bucais (carcinoma epidermóide)7. Exame Clínico8. Auto-exame bucal9. Exames complementares10. Diagnóstico diferencial 11. Conduta frente à identicação de uma lesão bucal AULAS PRÁTICAS (carga-horária = 08h)1. Coleta da História Clínica2. Exame clínico completo 3. Identicação de fatores de risco para o câncer bucal4. Identicação de lesões na mucosa bucal 5. Exames complementares6. Diagnóstico diferencial7. Conclusão diagnóstica (exames clínicos + complementares) 8. Conduta frente à identicação ou diagnóstico de uma lesão bucal
Related Search
Similar documents
View more
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x