AVALIAÇÃO DO TEMPO DE JEJUM E SEDE NO PACIENTE CIRÚRGICO THIRST AND FASTING TIME ASSESSMENT IN SURGICAL PATIENTS

Please download to get full document.

View again

All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
 34
 
  Como citar este artigo: Pierotti I, Nakaya TG, Garcia AKA, Nascimento LA, Conchon MF, Fonseca LF. Avaliação do tempo de jejum e sede no paciente cirúrgico. Rev baiana enferm. 2018;32:e27679. Objetivo: avaliar o tempo de jejum pré-operatório, presença
Share
Transcript
  Rev baiana enferm (2018); 32:e27679 1 DOI 10.18471/rbe.v32.27679 Artigo Original  AVALIAÇÃO DO TEMPO DE JEJUM E SEDE NO PACIENTE CIRÚRGICOTHIRST AND FASTING TIME ASSESSMENT IN SURGICAL PATIENTSEVALUACIÓN DEL TIEMPO DE AYUNO Y SED EN EL PACIENTE QUIRÚRGICO Isadora Pierotti 1 Thammy Gonçalves Nakaya 2  Aline Korki Arrabal Garcia 1 Leonel Alves do Nascimento 1 Marilia Ferrari Conchon 1 Ligia Fahl Fonseca 3 Como citar este artigo:  Pierotti I, Nakaya TG, Garcia AKA, Nascimento LA, Conchon MF, Fonseca LF. Avaliação do tempo de jejum e sede no paciente cirúrgico. Rev baiana enferm. 2018;32:e27679.Objetivo: avaliar o tempo de jejum pré-operatório, presença e intensidade da sede no pós-operatório imediato. Método: pesquisa documental, quantitativa, descritiva, realizada em 2018, em hospital escola, com amostra de 749 pacientes. Resultados: o tempo médio de jejum absoluto foi de 15:00 (DP 6:30). Pacientes cirúrgicos da urologia apresentaram maior tempo de jejum (16:56; DP 9:09). Em relação à faixa etária, o tempo de jejum variou de 13:29 (DP 7:34) para crianças, a 15:06 (DP 6:32) em adultos e 15:41 (DP 4:37) em idosos. A sede foi um desconforto presente em 84,5% dos pacientes, com intensidade média de 6,54 (DP 2,39) no pós-operatório. Houve associação significativa entre tempo de jejum e presença de sede. A maioria dos pacientes (85,4%) não se queixou de sede espontaneamente. Conclusão: o tempo de jejum pré-operatório foi maior do que o preconizado, independente da clínica cirúrgica ou faixa etária. Os idosos apresentaram maior tempo médio de jejum. Descritores: Jejum. Sede. Enfermagem Perioperatória. Objective: to assess preoperative fasting time, presence and intensity of thirst in the immediate postoperative period. Method: documentary, quantitative, and descriptive research carried out in 2018, in a university hospital, with a sample of 749 patients. Results: the mean time of absolute dry fasting was 15:00 (SD 6:30). Urological surgery patients showed longer fasting time (16:56; SD 9:09). Regarding age group, the fasting time varied from 13:29 (SD 7:34)  for children, 15:06 (SD 6:32) for adults, and 15:41 (SD 4:37) for elderly. Thirst discomfort was present in 84.5% of the patients, with a mean intensity of 6.54 (SD 2.39) in the postoperative. There was a significant relationship between fasting time and the presence of thirst. Most patients (85.4%) did not spontaneously complain about thirst. Conclusion: the preoperative fasting time was longer than expected, regardless of the surgical clinic or age group. The elderly group showed longer mean fasting time.Descriptors: Fasting. Thirst. Perioperative Nursing. 1  Enfermeira(o). Mestre em Enfermagem. Londrina, Paraná, Brasil. leonel_lan@hotmail.com 2  Enfermeira. Especialista em Cuidados Intensivos do Adulto. Londrina, Paraná, Brasil. 3  Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, Brasil.  Rev baiana enferm (2018); 32:e27679 2  Avaliação do tempo de jejum e sede no paciente cirúrgico Objetivo: evaluar tiempo de ayuno preoperatorio y presencia e intensidad de sed en posoperatorio inmediato. Método: estudio documental, cuantitativo, descriptivo, realizado en 2018 en hospital escuela, sobre muestra de 749 pacientes. Resultados: el tiempo promedio de ayuno absoluto fue de 15:00 (DS 6:30). Los pacientes quirúrgicos de urología  presentaron mayor tiempo de ayuno (16:56; DS 9:09). Respecto al segmento etario, el tiempo de ayuno varió de 13:29 (DS 7:343) para niños a 15:06 (DS 6:32) en adultos y 15:41 (DS 4:37) en ancianos. La sed estuvo presente en 84,5% de los pacientes, con intensidad promedio de 6:54 (DS 2:39) en posoperatorio. Hubo asociación significativa entre tiempo de ayuno y existencia de sed. La mayoría de los pacientes (85,4%) no se quejó espontáneamente de sed. Conclusión: el tiempo de ayuno preoperatorio fue mayor al recomendado, independientemente de la clínica quirúrgica o la faja etaria. Los ancianos mostraron mayor tiempo de ayuno. Descriptores: Ayuno. Sed. Enfermería Perioperatoria. Introdução O jejum pré-operatório é uma prática comum, recomendada com o propósito de garantir o es- vaziamento gástrico e diminuir o risco de eventos respiratórios adversos. Estes ocorrem principal-mente durante o procedimento anestésico, de- vido ao bloqueio dos reflexos protetores de vias aéreas (1-2) . Todavia, o período de jejum pré-ope-ratório observado na prática clínica excede o re-comendado por protocolos bem estabelecidos, como o da Associação Americana de Anestesio-logia (ASA) (3)  e Enhanced Recovery After Surgery   (ERAS). Estas mudanças foram propostas por meio de protocolos multimodais, que utilizam medicina baseada em evidências para contribuir com a recuperação do paciente cirúrgico (4) . O ERAS foi idealizado por um grupo mul-ticêntrico europeu em 2001, e fundamentou a criação do Projeto Aceleração da Recuperação Total Pós-Operatória (ACERTO) implantado no Brasil em 2005. Constitui-se como um programa multidisciplinar de cuidados perioperatórios para acelerar a recuperação do paciente cirúr-gico. Dentre seus pilares, encontra-se a redução do jejum no período pré-operatório (4) .  A ASA apresenta guidelines   com altos níveis de evidência, e recomenda o consumo de lí-quidos claros sem resíduos em livre demanda até duas horas antes do procedimento anesté-sico cirúrgico. Incluem-se entre os líquidos sem resíduos: água, café (preto), chá, bebidas carbo-natadas (refrigerantes), suco de frutas sem polpa, bebidas ricas em carboidratos. Em relação aos demais alimentos, recomenda quatro horas de jejum para leite materno, seis horas para dieta leve e leite não materno e oito horas para ali-mentos sólidos e gordurosos (3) .  A redução do tempo de jejum é fortemente recomendada, com a finalidade de acelerar a recuperação do paciente e reduzir o estresse ci-rúrgico. No entanto, na prática clínica, poucos serviços a adotam, submetendo seus clientes a períodos de jejum absolutos e extremamente prolongados (5) .Os efeitos do jejum prolongado potencia-lizam as alterações metabólicas inerentes ao trauma cirúrgico. O organismo, após poucas horas sem ingerir nutrientes, reduz os níveis de insulina circulante e inicia processo de gli-cogenólise. Em pouco menos de 24 horas, o glicogênio hepático esgota-se. Concomitante ao processo da glicogenólise, a gliconeogênese também é ativada, utilizando proteína muscular como fonte de energia. A principal mudança fisiológica está relacionada com o aumento da resistência à insulina, influenciando na resposta imunológica e inflamatória, além do processo de cicatrização (4,6) . Desse modo, o paciente em fase pré-cirúrgica encontra-se em catabolismo, com a finalidade de ofertar energia ao organismo para manutenção da homeostase celular (6) .  Adicionalmente, o jejum prolongado impacta de forma negativa não apenas no equilíbrio fi-sico, mas também em aspectos emocionais, além prejudicar a satisfação do paciente com a expe-riência cirúrgica. Um sintoma muito comum e de elevado desconforto relacionado ao jejum é a sede perioperatória (7) . O sintoma sede apresenta atributos desconfortáveis que afligem o paciente  Rev baiana enferm (2018); 32:e27679 3 Isadora Pierotti, Thammy Gonçalves Nakaya, Aline Korki Arrabal Garcia,Leonel Alves do Nascimento, Marilia Ferrari Conchon, Ligia Fahl Fonseca  no Pós-Operatório Imediato (POI), como lábios, boca e garganta secas, língua e saliva grossa, gosto ruim na boca e vontade de beber água (8-10) .Estudo realizado com pacientes cirúrgicos adultos e idosos apresentou média de jejum de 16,2 horas para líquidos claros e 17,3 horas para alimentos sólidos (10) . Em procedimentos infantis, essa realidade não é diferente, pois as crianças chegam a ser mantidas em jejum até 73 horas no pré-operatório (11) . Outro estudo revelou tempo excessivo de jejum para 70% das crianças (12) . Diversas pesquisas foram conduzidas com a finalidade de avaliar o tempo de jejum pré-ope-ratório e sua influência na anestesia. Revisão da Cochrane, que reuniu 25 estudos com pacientes pediátricos, concluiu que as recomendações para ingestão de líquidos de até duas horas antes do procedimento cirúrgico é segura, uma vez que não houve diferença de pH e volume gás-trico quantificados no intra-operatório (13) . Outros estudos com crianças também não encontraram correlação entre a diminuição do intervalo de jejum pré-operatório e o aumento do volume do conteúdo gástrico (13-15) . Isso acontece devido ao tempo de esvaziamento gástrico após a ingestão de líquido claro acontecer dentro de 30 minutos, em crianças saudáveis (15) . Além disso, não houve diferença estatistiticamente significante na al-teração de pH e no volume gástrico residual, quando pesquisadores compararam uma versus   duas horas de jejum (14) . Diante do contexto dos tempos prolongados de jejum na prática clínica e as repercussões ad- vindas desse evento e a fim de permitir subsídios para a tomada de decisão com enfoque no cui-dado centrado no paciente, o presente estudo tem como objetivo avaliar o tempo de jejum pré--operatório, presença e intensidade da sede no pós-operatório imediato. Método Trata-se de uma pesquisa documental, quan-titativa e descritiva. O Grupo de Estudo e Pes-quisa em Sede (GPS) possui um banco de dados no qual são acrescentadas informações refe-rentes às pesquisas realizadas. Os dados seguem o mesmo roteiro e protocolo de coleta, possibi-litando, assim, análise posterior. A amostra foi composta por 749 pacientes cirúrgicos de ambos os sexos, submetidos à cirurgia eletiva ou de ur-gência/emergência entre janeiro de 2014 e abril de 2018. O local de estudo foi um hospital univer-sitário do Norte do estado do Paraná, de alta complexidade, com 316 leitos disponíveis para o Sistema Único de Saúde (SUS). Conta com um centro cirúrgico composto por sete salas ope-ratórias, uma sala pré-anestésica e seis leitos em Sala de Recuperação Anestésica (SRA), rea-lizando em média 640 cirurgias/mês. A coleta de dados foi realizada no POI, ainda na sala de recuperação anestésica.O critério de inclusão foi ser paciente que permaneceu em POI em SRA, com idade acima de 4 anos, consciente e orientado em tempo e espaço e que capaz de autorrelatar o tempo que permaneceu em jejum pré-operatório. As infor-mações referentes às crianças foram colhidas pelo relato do cuidador. Dessa amostra, foram excluídos os pacientes que apresentaram dor in-tensa ou dificuldade de comunicação, por não apresentarem condições adequadas para a parti-cipação em uma pesquisa.O roteiro de coleta de dados contemplou in-formações demográficas e variáveis relacionadas ao tempo de jejum pré-operatório, bem como a presença de sede, queixa espontânea e intensi-dade avaliada por uma escala verbal numérica (EVN) em adultos, com pontuação de 0 a 10, e a escala de faces (EF) na criança, com pontuação de 0 a 4. A sede é um desconforto sistematica-mente avaliado na instituição, quanto à presença e intensidade durante o período de recuperação anestésica.Os dados foram duplamente digitados e tabu-lados no programa Microsoft    Excel  ®, recebendo tratamento estatístico descritivo com o auxílio do programa IBM SPSS Statistics   20. Realizou-se aná-lise de medidas centrais (média e desvio padrão) para a idade, intensidade da sede e tempo de jejum pré-operatório. As variáveis sexo, clínica cirúrgica, presença de sede e verbalização es-pontânea foram descritas em números absolutos  Rev baiana enferm (2018); 32:e27679 4  Avaliação do tempo de jejum e sede no paciente cirúrgico e frequências. A variável tempo de jejum apre-sentou distribuição não paramétrica, sendo utili-zado o teste de Mann-Whitney para avaliar a as-sociação do tempo de jejum na presença de sede. Os dados analisados no presente estudo são secundários de pesquisas desenvolvidas pelo GPS, as quais obedeceram aos preceitos éticos estabelecidos na Resolução n. 466/2012 do Con-selho Nacional de Saúde. Os estudos srcinais foram apreciados e receberam aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Londrina. Não houve identificação, nem contato individual com nenhum dos participantes. Resultados O banco de dados foi composto por 749 pa-cientes. Predominou o sexo feminino, com 417 (55,7%) participantes, a idade média foi de 36,3 anos (DP 17,3), variando de 4 a 85 anos. A faixa etária foi subdividida em crianças (4-12 anos - n=81), adultos (13-59 anos - n=586) e idosos (60-85 anos – n=82). As clínicas cirúrgicas, assim como o tempo médio de jejum, estão descritos na Tabela 1.  Tabela 1 –   Distribuição descritiva do tempo absoluto em horas por clínica cirúrgica. Londrina, Paraná, Brasil – 2014-2018 (N=749) Clínica Cirúrgic a n% Tempo médio de jejum Intervalo de Confiança (95%)Desvio Padrão  Aparelho Digestivo506,715:0813:33-16:435:33Cabeça e Pescoço506,715:1913:44-16:545:33Cardíaca395,212:5611:25-14:284:41Ginecologia e Obstetrícia21428,615:0314:12-15:536:16Neurocirurgia172,316:3714:52-18:213:22Oftalmologia152,013:3810:10-17:056:15Ortopedia17923,915:1114:13-16:086:31Otorrinolaringologia314,115:4314:37-16:493:00Emergências Cirúrgicas162,116:2511:19-21:319:34Torácica91,214:4110:49-18:325:01Urologia486,416:5614:16-19:359:09 Vascular162,113:0810:46-15:294:26Bucomaxilo162,114:0912:22-15:563:20Cirurgia Infantil476,313:1510:29-16:029:27Plástica10,114:35*--Odontocirurgia10,111:00*--Total74910015:0014:32-15:286:30 Fonte: Elaboração própria.* Apresentaram apenas um paciente analisado.Nota: Sinal convencional utilizado:- Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento. O tempo de jejum pré-operatório foi avaliado nas diferentes faixas etárias e estão descritos na Tabela 2.  Tabela 2  – Tempo de jejum absoluto em horas por faixa etária. Londrina, Paraná, Brasil – 2014-2018 Faixa etári  a n%Tempo médio de jejum Intervalo de Confiança (95%)Desvio Padrão Crianças (4-12)8110,813:2911:48-15:097:34 Adultos (13-59)58678,215:0614:35-15:386:32Idosos (60-85)8210,915:4114:40-16:424:37Total74910015:0014:32-15:286:30 Fonte: Elaboração própria  Rev baiana enferm (2018); 32:e27679 5 Isadora Pierotti, Thammy Gonçalves Nakaya, Aline Korki Arrabal Garcia,Leonel Alves do Nascimento, Marilia Ferrari Conchon, Ligia Fahl Fonseca   A presença de sede foi relatada por 633 (84,5%) pacientes. Apenas 109 (14,6%) dos pa-cientes verbalizaram de forma espontânea este sintoma. Observou-se que a verbalização espon-tânea da sede foi maior em crianças (56,8%), se-guida pelos adultos (14,8%) e idosos (6%). A média de intensidade da sede foi de 6,54 (DP 2,39). O tempo médio de jejum para os pa-cientes que apresentaram sede foi de 15:23 (DP 6:44) e dos pacientes que não apresentaram sede foi de 14:29 (DP 15:37). A intensidade média da sede nas crianças foi de 2,85 em uma escala de faces com variação de 0 a 4. O teste de Mann-Whitney mostrou que o tempo de jejum tem associação sobre a presença de sede (U=25444,500; p<0,001). Discussão  A relevância deste estudo está em quantificar o descompasso entre o tempo de jejum pré-ope-ratório preconizado e aquele praticado pelas instituições de saúde. Além disso, evidencia a presença e intensidade de um desconforto usual-mente desconsiderado, apesar de prevalente: a sede. Os resultados encontrados neste estudo corroboram o observado na prática clínica e na literatura, de que o tempo excessivo de jejum pré-operatório vem se perpetuando na realidade da instituição em estudo, independente da clí-nica cirúrgica ou faixa etária do paciente. Outras instituições públicas brasileiras re-gistram dados semelhantes. Em ensaio clínico randomizado realizado com pacientes cirúr-gicos idosos, foi encontrado um tempo médio de jejum absoluto de 13:30 horas. Este mesmo estudo mostrou que, na chegada do paciente no centro cirúrgico, 70% dos que estavam em jejum apresentavam fome e 90%, sede. Além disso, o estudo evidenciou que apenas 40% dos pacientes sentiram-se satisfeitos com o atendi-mento anestésico-cirúrgico, quando permane-ceram em jejum absoluto. Este dado difere dos 90% dos pacientes satisfeitos, que receberam be-bida rica em carboidrato, duas horas antes do ato anestésico-cirúrgico (5) . Até mesmo os próprios cirurgiões que pres-crevem o jejum pré-operatório muitas vezes não se dão conta das horas excessivas registradas em suas prescrições. Em um estudo realizado com cirurgiões, foi-lhes perguntado quanto tempo de jejum pré-operatório era prescrito para sólidos e líquidos, e as respostas foram comparadas com os registros em prontuários. Os cirurgiões dis-seram prescrever oito horas para alimentos só-lidos e três para líquidos. No entanto, o tempo médio de jejum registrado nos prontuários al-cançou 12 horas (entre 8 a 21 horas) para ali-mentos sólidos e de dez horas (entre 2 a 18 horas) para líquidos claros (16) . Esses resultados são semelhantes ao do presente estudo. Essa pequena diferença de média entre jejum de ali-mentos sólidos e líquidos, como evidenciado no estudo citado, confirma que, na prática, as pres-crições não são individualizadas de acordo com os diferentes tipos de alimento.Ressalta-se que, neste estudo, o tempo médio de jejum dos idosos foi o mais alto, evidenciando o contraste existente entre o que é recomendado pelos protocolos e o realizado na prática. Dadas as características metabólicas desta população, os efeitos deletérios do jejum são potenciali-zados, ocasionando o aumento de consumo das reservas metabólicas e exacerbando o trauma cirúrgico (4-5) .Entre outros motivos do prolongamento do jejum está o atraso e as suspensões nas cirurgias, o que pode elevar o jejum até uma média de 16 horas (17) . Este pode ter sido um dos motivos que explica a elevada média de tempo de jejum absoluto neste estudo. A falta de individualização de prescrições para o jejum pré-operatório e o tempo exces-sivo sem se alimentar acarretam malefícios ao paciente. Dentre os principais, está o aumento do volume residual gástrico, com redução do pH, aumentando o risco de broncoaspiração (6,13-14) . No entanto, a ingestão de líquidos claros, até duas horas antes do procedimento, torna o vo-lume residual menor e o pH maior (17) . Somam-se a este argumento evidências de que o jejum pré--operatório prolongado, além de bastante des-confortável e desnecessário, pode ser prejudicial,
Related Search
Similar documents
View more
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x